Dicas sobre o Sono normal e Insônia

mulher insonia Dicas sobre o Sono normal e Insônia

 Para que serve o sono?

O sono não é importante apenas para descansar o corpo, ele é fundamental para que a mente funcione bem. Dormir bem é essencial para o bom funcionamento cardiovascular, fortalece o sistema imunológico e ajuda a manter o peso. Enquanto dormimos, nosso cérebro armazena informações importantes na memória e descarta as supérfluas. E os sonhos também são importantes! Quando sonhamos, há um importante aumento da atividade cerebral e os sonhos podem conter a chave para um maior entendimento de nós mesmos.

Quais as consequências da insônia?

Após uma noite mal dormida, a concentração e a memória são prejudicadas, ficamos mal humorados e com o raciocínio mais lento. E não adianta dormir mais no fim de semana para compensar: a concentração, a atenção e a memória continuam comprometidas.

Quantas horas de sono uma pessoa normal precisa?

A necessidade de sono varia muito entre as pessoas, mas uma média de sete horas de sono é adequada para a maioria dos adultos. Crianças e adolescentes precisam dormir mais (cerca de dez horas por noite). Idosos frequentemente apresentam ciclos de sono mais curtos, com vários despertares noturnos que atrapalham o descanso. Há medicações que tratam a insônia, mas devem ser prescritas pelo médico.

É normal ter pesadelos?

Pesadelos podem acontecer de vez em quando nos adultos, mas quando se tornam frequentes é preciso investigar o que está acontecendo.

Se você tem problemas para dormir, veja abaixo dicas para uma boa noite de sono.

boa noite de sono Dicas sobre o Sono normal e Insônia

Boa noite de sono:

Hábitos que ajudam você a ter uma boa noite de sono…

- Mantenha seu dormitório arejado durante o dia, e escuro à noite, sem umidade, sem ruído excessivo e limpo.

- Calor e frio excessivos prejudicam muito o sono. Procure manter a temperatura do quarto agradável.

- Estabeleça horários regulares para dormir e acordar, segundo o seu organismo. Isso facilita o estabelecimento de um ritmo.

- Evite cigarros, álcool e bebidas cafeinadas (ex: mate, refrigerantes à base de cola, chá preto). Se não consegue abrir mão deles, use-os apenas até as 17 horas.

- O álcool pode dar a falsa impressão de ajudar a adormecer, porém ele gera um sono que não é reparador nem para o corpo nem para a mente.

- Exponha-se à luz do dia pela manhã, pelo menos por alguns minutos; ela pode ajudar a regular seu início de sono á noite.

- Evite luz intensa durante a noite, pois ela pode afastar o sono. Mantenha seu quarto o mais escuro possível.

- Faça refeições leves à noite (não vá deitar com fome nem após ter comido muito).

- Evite exercícios físicos próximos à hora de dormir, mas pratique-os durante o dia, de preferência durante a manhã e ao ar livre.

- Não fique planejando as tarefas do dia seguinte nem resolvendo problemas na hora de dormir. Caso alguma tarefa para o dia seguinte esteja preocupando-o, anote em um papel e volte para a cama, isso permitirá que sua mente se “desligue” do problema.

- Não cochile durante o dia (exceto pessoas idosas para as quais pode ser aconselhado apenas um pequeno cochilo durante o início da tarde).

- À noite, evite atividades que possam estimular o alerta, como computadores, televisão, leitura, etc. Obs: Para alguns insones, a leitura pode estimular o sono.

- Banhos quentes devem ser evitados, mas banhos com temperatura morna podem ajudar.

- Evite ler, assistir TV, estudar, comer ou discutir na cama. A cama deve ser usada apenas para dormir.

Outras dicas:

- Vá para a cama quando tiver sono. Se você acha que não está com sono, investigue a que horas você apresenta seu primeiro cochilo no período da noite. Procure deitar nesse mesmo horário na noite seguinte.

- Se incapaz de dormir, não fique “rolando” na cama. Saia da cama e retome atividade relaxante em outro ambiente e com pouca luminosidade. Retorne para a cama apenas com sono, para associar a cama apenas com “dormir”.

- Não fique controlando o passar das horas no relógio, isso pode acentuar a sensação de não dormir.

* Observação: Este texto não pretende substituir a necessidade de uma consulta médica. Se você ou algum parente sofre com o problema descrito acima, procure o médico.

Artigos Relacionados:

Juliana Garbayo

facebooktwitterlinkedin

Graduada em Medicina na Universidade Federal Fluminense (UFF). Cursou Residência Médica em Psiquiatria na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ-IPUB)


Postado em por Juliana Garbayo em Dicas

Adicione um comentário

Se você deseja ajuda, por favor entre em contato conosco, consultório de Psiquiatria RJ:

Dra. Juliana Garbayo Psiquiatra RJ - Telefone: (21) 99780-4339 Copacabana - Rio de Janeiro
Desenvolvido por WebProfissional Até Jan 2014.