E depois da paixão?

shutterstock 71809441 E depois da paixão?

A paixão é uma das fases mais estimulantes da relação amorosa

Há quem pense que a paixão é uma doença e tenha medo dela. Do ponto de vista puramente médico, nem estaria errado quem acha isso: a paixão corresponde a um estado mental alterado, no qual nosso cérebro é inundado por substâncias relacionadas à sensação de prazer e desejo de repetir a sensação experimentada e invadido por pensamentos e lembranças intrusivas da pessoa por quem estamos apaixonados: é difícil se concentrar e pensar em qualquer outra coisa!

  Mesmo assim, sou do grupo de pessoas que ADORA a paixão e estar apaixonado, acredito que a paixão move as pessoas e que a vida sem ela é muito tediosa!

Mas, seja como for que encaremos a paixão, como uma doença a ser temida  ou como uma aventura a ser procurada, esta fase (infelizmente, para os que pensam como eu) tem prazo de validade…dura, no máximo, de dois a três anos, se muito. Claro que há casais que conseguem se reinventar e seguir se apaixonando, vez por outra, um pelo outro. Mas não são todos. Para o restante, fica a pergunta:

E  quando a paixão acaba, o que acontece?

Francisco Daudt é médico e psicanalista e, em seu livro “A natureza Humana”, tem um texto no qual fala sobre as 3 coisas que podem acontecer quando a paixão acaba…adorei e vou resumir aqui para vocês.

Segundo Daudt, quando a paixão acaba, existem três caminhos que o relacionamento pode seguir: o da indiferença, o do sadomasoquismo e o do amor amigo.

Na indiferença, o casal simplesmente se desinteressa um pelo outro e a relação termina, de forma mais ou menos pacífica. Se o desinteresse ocorre simultaneamente, ótimo, cada um segue seu caminho. Se a mulher se desinteressa primeiro, costuma ser vítima de agressões e até de crime passional. Se é o homem que perde o interesse antes, também é atacado, mas as agressões, neste caso, são menos físicas e mais do tipo “vou tirar tudo o que ele tem” ou acontecem sob a forma de impedi-lo de ver os filhos (filme bastante comum, infelizmente para as crianças).

No sadomasoquismo, o casal se torna doente e “viciado” um no outro, e passa a se maltratar de forma sutil (por meio de provocações, traições, desvalorização um do outro) ou aberta – agressões físicas, brigas violentas, que, nestes casos, acabam levando a reconciliações igualmente intensas, com as brigas servindo como “combustível” para estimular o “sexo de reconciliação” e  como tempero para os dois por mais um tempo…até o novo ciclo de agressões. Segundo o psicanalista, a maioria dos casais que completa bodas de prata está neste grupo…

casal filhos E depois da paixão?

No amor amigo, o casal tem planos em comum e gosta de estar junto

No amor amigo, o casal desenvolve uma relação de profundo companheirismo, amizade e parceria. Embora a paixão tenha esfriado, ainda se sentem muito felizes em ter a companhia um do outro e principalmente, em observar seus filhos e netos crescendo ao seu redor. Têm projetos em comum, aproveitam juntos o que conseguiram construir e valorizam esse patrimônio afetivo. Se sentem atraídos por estímulos externos mas abrem mão deles sem hesitar para não perderem o que construíram e nem um ao outro.

Não fiquei com a menor dúvida de qual opção eu quero…e vocês?

Artigos Relacionados:

Juliana Garbayo

facebooktwitterlinkedin

Graduada em Medicina na Universidade Federal Fluminense (UFF). Cursou Residência Médica em Psiquiatria na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ-IPUB)


Postado em por Juliana Garbayo em Relacionamento

3 Respostas para E depois da paixão?

  1. cristiane

    aquela paixão de loucura acaba, mais o amor que se construiu juntos na presença de Deus permanece para sempre.Amor,companheirismo ,

  2. Juliana Garbayo

    É verdade, Cristiane…é o que ele chama de “amor amigo”. É a verdadeira parceria, né? Bjs!

  3. Ricardo Alkimim

    Acho que to no Amor Amigo ela mora em outro estado e enquanto estamos separados fazemos tudo pra nos encontrar,quando encontramos no começo é maravilhoso depois de um tempo vem as lembranças brigas desintendimentos e perde o encantamento.

Adicione um comentário

Se você deseja ajuda, por favor entre em contato conosco, consultório de Psiquiatria RJ:

Dra. Juliana Garbayo Psiquiatra RJ - Telefone: (21) 99780-4339 Copacabana - Rio de Janeiro
Desenvolvido por WebProfissional Até Jan 2014.